A Região

 


É um lugar ao sul e ao sol. Envolvida num berço de vinhos, aqui fixou Fialho D’Almeida o fronteiro de “O País das Uvas”. É a Vidigueira. Até tão longe quanto a memória pode ir, nestes campos fartos e generosos, riscaram comunidades milenares o rasto da sua passagem. Só uma terra assim podia premiar o maior feito do Renascimento português: a abertura do caminho marítimo para a Índia, por Vasco da Gama, em 1498. O Almirante foi feito conde da Vidigueira e, ainda hoje, a vila conta o passar do tempo com um sino que tem gravadas as armas do navegador.

São terras ricas, mas nada valiam sem as suas gentes. São elas que a enriquecem, sem que muitas vezes enriqueçam. Por aqui trata-se o vinho por tu. Os homens falam do ”vinho do trabalho”. É quase uma celebração pagã, esta relação do povo da vidigueira com o néctar perfumado das uvas. É a mãe de todas as festas. Em cada copo de vinho há fragmentos de sol alentejano e a mágica sacralidade que liga o homem ao seu chão. Em cada bago de uva há um beijo de mulher com a lua nos lábios. É o prémio por tanto suor.

Vidigueira, terras de pão, gentes de paz.

Para saber mais sobre a Região clique no logótipo do Município de Vidigueira



Faixa actual

Título

Artista